Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

maedocoracaosoueu

Seg | 12.02.18

E DE REPENTE ESTOU DESEMPREGADA!!!!!!!!!!!

É uma catástrofe, o pior que nos pode acontecer, e no fundo bem no fundo, aquilo que só esperamos que aconteça aos outros.

Ficar sem trabalho é quase tão penoso, podem achar uma comparação estúpida,como perder alguém de quem se gosta, perdemos a esperança com muita facilidade, a autoconfiança vai pelo cano abaixo e acima de tudo e mais penoso, perdemos amigos.

No dia em que alguém nos chama para comunicar que prescinde dos nossos serviços, após 22 anos de trabalho, abre-se um buraco no chão, ficamos angustiados,entramos em pânico e surgem imensas dúvidas. Como é possível? O que vou fazer agora? Como vou sobreviver? Pagar as contas?Sorte a minha que vivo com os meus pais, mas contudo tenho uma filha e contas fixas a pagar.

Ficar desempregado pode ser uma experiência verdadeiramente traumatizante, ou pelo contrério, até não.

É mudar de vida por força das circunstâncias,e tirar partido disso.

Quando passa o choque, dos primeiros dias, semanas ou meses dependendo da pessoa, há que pôr mãos à obra, criar coisas novas, apostar em caminhos diferentes, procurar uma saída, e é nessa procura que encontramos o nosso talento.

Não nos podemos limitar a enviar cv para as melhores empresas, bater à porta de amigos ou conhecidos, não, temos que ir infinitamente mais longe.

Podemos construir uma vida nova, assente nas nossas verdadeiras capacidades, e pode não ser estar 7 horas e meia enfiadas dentro de um escritório a olhar para um computador,é começar dozero, ganhar menos mas rentabilizar o prazer de estarmos a fazer aquilo para que fomos talhados.

Todos passamos por momentos de angustia e desânimo mas temos que apostar em não ser vencidos, mas sim sair  vencedores.

Há que ter coragem de seguir em frente, mesmo quando houve dias em que em frente era uma rua sem saída, esta coragem de andar para a frente contagia os outros, aqueles que nos irão ajudar a sair da lama escorregadia e cheia de incertezas e onde julgavamos que nos iriamos afundar e construir algo novo.

Vale a pena o esforço para voltar à superfície ver com olhos de ver, que há mais coisas entre o céu e a terra do que conseguimos imaginar.

Eu sei que a nossa auto-estima fica abaixo de zero, pois pensamos que afinal não eramos tão bons como pensavamos, mas não é bem assim, somos muito bons, mas para as empresas somos meros números, há que cortar às despesas logo toca a despachar, mas esquecem-se que os maiores gastos estão neles próprios, patrões, que gastam acima do que a empresa pode suportar, e ao dares conta disso, repiras de alívio, e quando continuas a ver que mais colegas estão a ser dispensados, então aí surge não o alívio mas a indignação, pois uma empresa que tinha tudo para dar certo, está a afundar-se-se por má gestão, e colegas teus com 30 anos entraram nessa lista,bem, surge novamente o alívio, pois se ela se afundar nós já não estamos nesse barco, logo não estamos na iminência de nos afogarmos.

Certo é que "quem desaparece a gente esquece", mas ultrapassei essa fase logo no ínicio, pois assim como me esqueceram eu também os esqueci, e quando lhes disse isso ficaram chocados, chocados porque motivo? Se eu ainda me encontro e ligo a colegas que já lá não estão há mais anos?

As pessoas hoje em dia são muito "desligadas" e eu aprendi a desligar também, mas compreendo que eles vivem em sobressalto, sem saber quem será o próximo.

Mas encontei o meu caminho agora é pegar nas sapatilhas e começar a correr.

8 comentários

Comentar post