Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

maedocoracaosoueu

Qui | 10.08.17

MAIS UMA HISTÓRIA DE UMA CRIANÇA ADOTADA VIOLADA PELO PAI

Ora , uma pessoa chega a casa, senta-se à mesa a almoçar, juntamente com os pais e a filha, e liga a televisão, pois os meu pais não almoçam sem ver televisão, e na TVI anunciam um caso de mais um pai adotivo que violou a filha de 11 anos, violação essa que se prolongava já há 2 naos, quer dizer, a menina tinha 9, e claro, infelizmente engravidou e teve que abortar.

Eu não falo mais uma vez sobre este assunto por a minha filha ser adotada, falo deste assunto porque ouvi mais uma vez culparem a Segurança social por este ato, meus caros após a doção efetiva, a criança é nossa e as funcionárias da Segurança Social não podem vir cá a casa quando lhes dá na real gana, o processo terminou agora basta fazer aquilo a que nos comprometemos, ser mãe, ou pai, o que fôr, no meu caso ser mãe pois foi uma adoção monoparental.

Mas falando deste caso em concreto, acham que está escrito na cara de uma mãe/ pai adotivo que ele tem uma doença, que é pedófilo? Se não fosse a filha adotiva seria a filha biológica, o Sr. tem uma doença mas ela não lhe está escrita na testa, mais uma vez disseram que a criança nada contou  à mãe pois tinha medo de voltar para a instituição, pode não ser essa a verdade, provavelmente a criança não contou porque tinha uma boa mãe, e gostava dela, pois a mãe era tão ingénua, que nunca se apercebeu do que estava a acontecer dentro da sua própria casa, pois se assim fosse não a teria levado ao hospital, onde foi confrontada com este pesadelo, e que poderia levar a pensar que seria cúmplice, mas parece não ser o caso.

Na minha modesta opinião continuo a achar que a menina não contou nada por amar a mãe, e não por medo de voltar a ser institucionalizada, onde estaria mais segura e onde não passaria por tal situação, tendo como agravante que o GAJO, não lhe posso chamar pai, senhor, um nome feio mas mas não quero estar aqui a dizer asneiras era filmado.

Já postei uma vez, às vezes é melhor devolver uma criança do que assistir a este tipo de notícia.