Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maedocoracaosoueu

Qui | 15.02.18

VAMOS FAZER ALGUMA COISA ANTES QUE SEJA TARDE!!!!

Toda a gente sabe que te amo, toda a gente sabe que gosto de ti, menos tu.

Lembrei-me desta frase quando vi uma pessoa sofrer muito por ter perdido um grande amigo assim de repente, de um momento para outro, sem pré aviso, sofria porque sentia a sua falta, mas também porque se apercebeu que não lhe tinha dito vezes suficientes que gostava muito dele.

A morte súbita de alguém que nos é querido, é porventura, o choque mais brutal que podemos sofrer.

Por um lado, porque existe uma perda fisica imediata, irreparável,dolorosa,violenta, quase insuportável, e por outro lado fiacamos com a sensação que ficou tudo por dizer. .

Na verdade poucos são os que ainda não tenham experimentado este sentimento de frustração, seja numa relação de amizade,de amor, de família ou até mesmo de trabalho.

Pelo menos uma vez na vida todos sentimos que gostavamos de ter dito qualquer coisa, algo que não dissemos ou não soubemos dizer enquanto era tempo.

Não é preciso alguém morrer para constatar a inevitabilidade deste sentimento de perda, basta olharmos para trás e ver quantas pessoas se cruzaram connosco e nos " tocaram" sem que fossemos capazes de retribuir.

Esse sentimento começa em casa, com os nossos paias, a quem achamos que não agradecemos o suficiente, mas com que facilmente nos confrontamos.

Quantas vezes não temos saudades ou reinvidicamos a sua presença e na altura em que estamos com eles, mostramos indiferença ou disparatamos, tala e qual como putos pequenos e palermas.

Imaginem que desaparece um dos nossos pais seguido de uma discussão familiar,o sentimento de impotência seria terrivel, quase insuportável, a mágoa e a culpa iriam corroer-nos ate ao fim das nossas vidas.

Não basta gostarmos de alguém, é preciso mostrar que gostamos.Muito!!!!

Há muitos anos uma amiga minha desabafava que já não tinha paciência para a mãe e que se fartava de discutir com ela, que ela não era a mãe era a filha, que tinha marido e filha para cuidar e eu ouvi, após o meu silêncio la perguntou:

-E tu Paulinha que farias no meu lugar?

Ao que eu respondi

-Nunca me zango com os meus pais, se acontecer passa logo, pois se os perco e não tenho tempo de pedir desculpa e remediar a situação, iria viver com essa dor para toda a minha vida.

Silêncio do outro lado.

-Nunca tnha pensado nisso.

Diz ela.

Ainda hoje somos amigas à mais de 20 anos, ela ainda se recorda dessas palavras, e a mãe está ainda pior, mas agora quando ela me conta as peripécias até nos rimos, temos que rir, mas são coisa bem complicadas, mas que ela encara de outra maneira, e já não discute. Agora adeverte e "castiga" , sim castga a própria mãe, mas também tem na retaguarda uma marido fantástico, se assim não fosse, já estariam separadas, pois devo admitir que me rio, mas são coisas que nem a minha filha nem a filha dela quando era adolescente alguma vez o fizeram, mas quando conversamos chegamos à conclusão que há coisas piores, e a mãe podia fazer coisas piores, o que se passa é que se tonou numa criança em " ponto grande", mas é mãe, foi mãe solteira toda a vida, deu-lhe um curso, e cuidou dela o melhor que pôde, sempre sozinha, agora é o reverso da moeda, mas não estamos a falar de " eu fiz muito por ti agora atura-me" , não , nem por sombras.

Rimo-nos porque eu digo

-Agora tens três filhos para cuidar

E rimos, mas eu sei que lhe apetecia chorar,mas vêm-lhe à memória as minhas palavras, se a perder como é que lhe pede desculpa por ter sido impaciente, por ter discutido, por deixar de lhe falar, como podemos compensar tal dor?

É uma amiga a quem envio mensagens e vice-versa a dizer simplesmente:

-Tenho saudades tuas, vossas de todos, gosto muito de ti.

Pois embora não estejamos muitas vezes juntas, as vezes que desejariamos estar, sabemos que estamos aqui uma para a outra,no matter what

Vamos sempre fazer qualquer coisa antes que seja tarde