Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maedocoracaosoueu

Ter | 10.07.18

MORRER DE SOLIDÃO!!!!!!!!!!!!

Ao escrever o post "morrer por amor" houve com certeza quem tivesse ficado admirado.

Mas não é para admirar há quem morra por amor.

Há quem morra devido à solidão.

Sei de um caso.

Mãe de alguém que conheço que morreu de solidão.

Essa mãe quando o marido morreu decidiu comprar um apartamento no mesmo prédio que a filha.

Embora tivesse mais filhos decidiu ir para perto daquela filha.

Isto porque a fllha estava em casa.

Isto porque pensou que não iria estar sozinha.

Mas a filha embora estivesse em casa não ligava à mãe nem lhe fazia companhia.

Ironia.

Tomava conta de crianças.

Mas não tinha tempo para a sua própria mãe.

Perante esta situação a senhora decide ir para um lar.

Esteve lá uns tempo.

Era muito bem tratada.

Quando de repente morre.

Sem motivo aparente.

Não estava doente.

Foram feitos exames, não padecia de nenhuma doença grave,

Os filhos foram chamados pelo psicólogo.

Foi-lhes dito pelo mesmo que a mãe deles decidiu morrer.

Não se suicidou.

Simplesmente desistiu de viver.

Vocês podem perguntar.

Mas como?

E eu respondo não sei.

Não sei como é possível fazermos com que o coração pare.

Não sei como conseguiu, mas simplesmente o coração parou.

Moreu porque se sentia sozinha.

Morreu porque tinha 3 filhos e nenhum quis estar com ela.

Era uma senhora activa.

Não dependia de ninguém para nada.

Autónoma.

Só precisava de companhia.

Precisava que os filhos lhe dessem o que ela lhes deu.

Atenção.

Carinho.

Esta história foi-me contada pela própria filha.

Não estou a inventar.

Nem ela sabe explicar como foi possível.

Apeteceu-me falar.

Dar-lhe um abanão bem dado.

Mas ela era tão egoista que só iria perder o meu tempo.

E eu preciso desse tempo para os meus.

Para quê perder tempo para quem nunca o teve para a sua mãe.

Mas uma coisa ficou no meu pensamento.

Nunca te esqueças que também tens um filho.

Nunca te esqueças disso!!!!!!!!!!!

Fui pesquisar e para não pensarem que estou a inventar.

Retirei este excerto do Jorna Público.

"A solidão pode provocar sérios danos na sua saúde. Mais precisamente na sua função cardíaca. Assim como o isolamento social ou a morte de um companheiro. As provas científicas sobre os efeitos das relações sociais na saúde física aumentam de dia para dia. Um estudo publicado esta semana na revista Heart, uma das publicações do grupo BMJ, mostra que estar só ou socialmente isolado vale tanto como a ansiedade ou a tensão no trabalho, quando estamos a falar factores de risco para problemas cardíacos ou AVC (acidente vascular cerebral). Outro estudo, publicado também este mês, já tinha revelado que quem perde um companheiro ganha um risco acrescido de 41% de apresentar um perigoso batimento cardíaco irregular. Mais há mais estudos. Até a felicidade pode fazer mal ao coração."

 

 

Ter | 10.07.18

OS NERVOS MATAM!!!!!!!!!!!!

Ontem falei aqui da minha avó.

Disse que era uma santa.

Sim era.

Nunca fui muito chegada às minhas avós.

Os meus pais não eram logo nós também não.

Mas visitavamo-las.

Não com muita frequência.

A minha avó materna era muito calma, muito serena.

Não houve um filho e nem um neto que herdasse esta costela.

Todos temos os nervos à flor da pele.

A minha avó morreu com 82 anos.

Até adoecer não tinha um cabelo branco.

A minha mãe fala muito sobre isto.

Até adoecer a minha avó não tinha um cabelo branco.

A minha avó tinha um linfoma há muitos anos.

Nunca descobriu, ele estava bem guardado juntamente com a sua calma.

Quando lhe morreu o filho mais velho fez-se um clique na minha avó.

Um filho nunca deve morrer primeiro que uma mãe ( pensou ela).

E foi aí que se enervou.

Sem darmos conta.

Sem se manifestar.

E o linfoma despertou.

E a minha avó foi internada.

E durou uns meses.

A médica confirmou que a minha avó tinha este problema de saúde há muito, muito tempo.

Foram os nervos que a mataram.

Foi o não aceitar a morte de um filho.

Quis ir ter com ele

Não com o meu avô, de certeza.

Mas quis ir para bem perto do filho.

Foi o amor pelos filhos que levou a minha avó.

Se assim não fosse a minha avó teria vivido até aos 100 anos.