Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maedocoracaosoueu

Seg | 30.07.18

O QUE NÃO PODE FALTAR CÁ EM CASA!!!!!!!!!!!!!!!! UMA SOBREMESA!!!!!!!!!

1c1abcb3-73d0-45ab-b85a-495a90fc7590--2017-0908_no

Quem me conhece sabe que sigo o blog do casal mistério.

Porquê?

Porque têm receitas deliciosas.

Assim sendo cá vai mais uma.

o bolo de chocolate mais fácil do mundo: nem sequer precisa de pesar os ingredientes

Trata-se de uma receita que mede todos os ingredientes através de uma embalagem de 200 g de iogurte grego. Tudo o que precisa de fazer é despejar o iogurte para dentro de uma taça e depois usar a embalagem para ver qual a quantidade dos outros ingredientes que vai precisar. Por exemplo, enche a embalagem com cacau em pó e deita para dentro da mesma taça. Repete com café, açúcar, farinha, etc..

Vai ver como é fácil. O resultado é um bolo fofinho e delicioso. E com iogurte grego e café, o que eu adoro!

  • 1 embalagem de 200 g de iogurte grego (depois de a esvaziar, use a mesma embalagem para medir os outros ingredientes)
  • 1 embalagem cheia de óleo de canola
  • 1 embalagem cheia de açúcar
  • 2 embalagens cheias de farinha com fermento adicionado
  • 1 embalagem cheia de cacau em pó sem açúcar
  • 1 embalagem cheia de café
  • 2 ovos
  • Pitada de flor de sal
  • Açúcar de confeiteiro para polvilhar

 

Comece por despejar a embalagem de iogurte grego para dentro de uma taça grande onde vai preparar o bolo. Depois, vai usar essa mesma embalagem como medidor para os restantes ingredientes. Encha essa mesma embalagem de iogurte com açúcar e adicione à taça. Faça o mesmo com óleo de canola e adicione novamente. Agora junte dois ovos inteiros e bata com uma batedeira até ficar com um creme suave.

Acrescente duas embalagens de iogurte cheias com farinha com fermento e uma embalagem cheia de cacau em pó sem açúcar. Bata mais um pouco, na velocidade mínima, enquanto vai acrescentando, aos poucos, uma embalagem de iogurte cheia com café morno (se não gostar de café, pode usar água). Quando estiver tudo bem ligado e sem grumos, pare de bater.

Misture uma pitada de flor de sal e deite a massa para dentro de uma forma com o fundo amovível, untada com spray de cozinha ou forrada com papel vegetal. Leve ao forno, pré-aquecido a 180º C, durante cerca de 35 minutos e já está. Antes de servir, polvilhe com açúcar de confeiteiro por cima e diga adeus à balança (a dos ingredientes, claro, não a do corpo que já estamos no Verão!)

 

Um óptimo bolo de chocolate para si onde quer que a balança esteja,

E que tal?

Não é facil?

Eu só não colocaria o café, adoro café mas em em doces não sou muito fã.

O óleo, utilizaria normal pois não iria comprar óleo de canola,  uma receita  não tem regras rigidas, só nas quantidades, essas regars convem segui-las, e quem não gosta de quebrar regars?

Eu sei que podem dizer, mas isto eu façi com uma chávena, pois, mas não têm que lavar a chávena, deitam a emabalgem fora e o iogurte grego? 

Usem a vossa imaginação e poderão fazer a cobertura do bolo.

Seg | 30.07.18

OUVISTE O QUE EU DISSE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Todos nós sabemos que há os que ouvem e os que não ouvem, há os que fingem que ouvem e os  que fingem que não ouvem. 

Saber ouvir não é um dom é uma arte, seja com os ouvidos ou com o coração.

Neste mundo de ouvintes é difícil encaixar os que não ouvem absolutamente nada, não ouvem o som do mar, o barulho do vento, o som das vozes, nem uma nota de música.

O mundo não foi desenhado para pessoas diferentes, logo os que não ouvem ficam deveras desprotegidos.

Os que ouvem não sabem nem imaginam o extraordinário dom que lhes foi dado, e dão-se ao luxo de fingir que não ouvem, ou fazem de conta que não ouvem.

Ouvir com respeito aquilo que nos dizem, prestar atenção a cada palavra e saber que houve algo que não foi dito esse então é um dom a que se pode chamar a arte de de saber ouvir. Ouvir de verdade.

Quantas vezes durante uma conversa não estamos no limiar de não ouvir, não estamos a prestar atenção, acenamos com a cabeça, concordamos com monossilabos ou vamos dizendo, "pois", "pois", todos fazemos isto, eu faço isto, mas o mais grave e que o fazemos de forma natural, não temos consciência que não estamos a ouvir nem metade do que nos está a ser dito, quem nunca?

As crianças são o verdadero fiscal do "verdadeiro ouvir", são como o policia, sempre prontos a panhar-nos na próxima esquina. pois queixam-se de imediato se não os estamos a ouvir, uma criança geralmente não perdoa os nossos "hum" "hum", quando nos fazem uma pergunta à qual não damos resposta, pois não nos damos ao trabalho de levantar os olhos do livro que estamos a ler ou do programa que estamos a assistir, elas insistem até obterem a nossa atenção. Lá está não perdoam!!!!

Nós ficamos de cabelos em pé com esta exigência mas na verdade elas estão apenas a pedir aquilo a que têm direito, ser ouvidas.

Saber ouvir é uma atitude consciente, uma disponibilidade interior permanente, cansa mas recompensa.

A minha filha já sabe bem bem quando não estou a ouvir e diz:

-Não ouviste nada do que disse pois não?

Sim é verdade, não ouvi nem uma única palavra e peço para ela repetir, contudo nesse aspecto tenho tenho sorte pois ela repete, mas no entanto existem aqueles que não o fazem, quais as consequências que poderão dái advir?

Falar é fácil eu sei e eu própria me cruxifico, mesmo com a minha mãe, a minha mãe tem o dom de divagar antes de chegar ao cerne da questão, e eu começo a revirar os olhos pois quero que seja direta, bolas porquê?

Quando reviro os olhos ela diz que já não fala, vira "bicho.

O defeito que não gosto nos outros, está na minha Mãe, mas bolas é a minha Mãe, que direito tenho eu de não perder um pouco de tempo para a ouvir,.

E quando não a puder ouvir?

Fala Mãe, divaga, faz-te ouvir.

Grande estúpida que eu sou, porque é que não deixo de ter pressa para fazer algo e ouvir o que me estão a dizer?

Para onde vou com tanta urgência que não possa dispensar uns minutos para ouvir a  minha mãe?

Com a minha filha já aprendi, olhar para ela, ouvir atentamente e responder ou dar a minha opinião sobre o assunto em questão, é tão simples como isto.

Com a minha mãe estou a ir mais devagar, mas vou lá chegar, estou a aprender, aprender até morrer, digo sempre.

Contudo a minha mãe quando está a ver televisão não ouve ninguém, mas bolas ela é a mãe, eu sou a filha, quem aqui tem mais direitos e quem tem mais obrigações?

A única que a faz ouvir é a neta que tem o dom de não se calar, de ser chata, de a chamar constantemente até lhe ser dada a devida atenção, boa miúda faz-te ouvir!!!

Se pensarmos que o esforço para ouvir de verdade os outros nada significa quando comparado com a s várias tentativas, muitas vezes frustradas para se fazer entender daqueles que nunca ouviram e jamais ouvirão, damos o verdadeiro valor às conversas.

E acima de tudo damos mais atenção aos silêncios, pois muitas das vezes o silêncio tem o som de ouvir, contraditório não é? Mas é aquilo a que chamo o som do silêncio, saber ouvir, mantermo-nos calados e atentos.