Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mãedocoraçãosoueu

mãedocoraçãosoueu

VIRAR A PÁGINA!!!!!!!!!

É inegável o peso que um passado mal resolvido pode ter na nossa vida.
Muitas vezes é difícil apressar os passos em direção ao futuro desejado, tais são as coisas pendentes  dentro de nós.
É preciso colocar um ponto final em tudo o que não tem mais conserto.
Se necessário, é preciso apagar de uma vez por todas.

Enquanto vivermos, faremos escolhas equivocadas, amaremos a pessoa errada, confiaremos em quem não deveríamos, falaremos o que deveria ser guardado.

É assim que a gente cresce, aprende e se torna menos susceptível de cometer as mesmas asneiras.

A não ser que a pessoa se negue em repensar a própria vida, julgando-se a dona da verdade, ser do contra, mas os erros podem ser benéficos, apontando-nos quais caminhos evitar e nunca mais seguir.

Ninguém consegue caminhar com segurança, enquanto ainda guardar cicatrizes emocionais, enquanto o  coração ainda estiver preenchido com inseguranças e assuntos mal resolvidos.
Recomeçar implica libertar-se das amarras que impediam um olhar esperançoso em direção ao horizonte que está lá à frente, mesmo ao lado do amanhã, assuntos pendentes diminuem a nossa fé, atravancando todas as possibilidades que se encontram disponíveis diariamente a cada um de nós.

Na verdade nem tudo o que ficou lá atrás deve ser revisitado.

Embora digam que o passado é um lugar de referência e não de residência, algumas pessoas e certos acontecimentos devem mesmo é ser enterrados, esquecidos, apagados de nossa memória, da nossa vida. Alguns erros convém lembrar para não repeti-los.

Mas há passados que não trarão absolutamente nada de bom ao serem trazidos de volta.

Por esse motivo é vamos rasgar essas páginas e, se possível queimá-las.

 O passado pode, sim muitas vezes servir-nos de lição, é um parâmetro de comportamentos que não devemos repetir.
Refletir sobre o que estamos a fazer da nossa vida é extremamente necessário, porém, existem passagens tão doloridas e traumáticas, que devem permanecer bem longe do nosso pensamento, das nossas lembranças.
E só assim a dor cicatriza de vez.

TU ENGANAS A TUA FILHA MAS NÃO ENGANAS A TUA MÃE!!!!!!!!!!!!

A minha filha precisava urgentemente de cortar o cabelo.

As miúdas agora têm a mania dos cabelos compridos.

Nem sabem o prático que é ter o cabelo curto

Com uma agravante.

A minha filha quando lava o cabelo deita-se com ele molhado, não seca, tem preguiça.

O cabelo estava para lá de feio.

Tantas vezes lhe disse para irmos à cabeleireira.

Tantas vezes recusou.

Não a posso levar de rastos, já não tem idade para isso, mas vontade não me faltava.

Esta semana como ia desfilar na escola pediu para cortar o cabelo mas tinha uma condição:

-Mãe só corto dois dedos

-Ok tu é que te vais entender com a cabeleireira

-Mas olha que são só dois dedos

-Ok

Fomos a uma cabeleireira nova, experimentar, não queria, a Diana é aversa a mudanças, faz-lhe confusão, mas lá concordou.

Foi ela quem falou com a cabeleireira e pediu para cortar dois dedos.

Mas o cabelo estava de tal maneira que a cabeleireira olhou para mim através do espelho e mostrou o quanto ia cortar, eu disfarçadamente abanei com a cabeça em sinal se aprovação.

A miúda não viu.

E lá viemos para casa.

Ela toda contente pois adora ver-se com o cabelo esticado.

Eu toda contente, o cabelo estava bonito.

Entretanto em casa põem a mão atrás das costa para ver se conseguia chegar ao cabelo, e qual não é o seu espanto, não conseguia

Foi ter com a avó.

Fez-lhe queixa.

Vem a avó ter comigo a fingir indignação.

-Oh Paula então deixaste a cabeleireira cortar quatro dedos ao cabelo da menina?

-Eu?

-Sim tu, a menina diz que está muito curto.

-Não, desculpa a Diana é que falou com a cabeleireira, eu nem me manisfestei.

Vem a Diana em minha defesa.

-Não vó, a minha mãe não disse nada, o problema é que menina era gordinha e dois dedos dela são quatro

-Oh filha do meu coração explica lá isso.

-Sim, a Eduarda é magrinha os dedos dela são como os meus logo dois dedos eram dois dedos, e a outra menina como é gordinha dois dedos dela são quatro

E como fiquei eu?

Sem palavras, sem argumentos.

Pois contra os factos da Diana não há argumentos.

A minha mãe, que é minha mãe e conhece-me como ninguém, mau seria o contrário, após a miúda ir para o duche diz:

-Foste tu não foste?

-Claro, o cabelo estava horrível tinha que dar um bom corte.

-Eu sabia, eu tinha a certeza.

DEUS CRUZOU OS BRAÇOS!!!!!!!!!!

Sempre que nos acontece uma desgraça tendemos a dizer.

"Meus Deus porquê eu"?

"Meu Deus eu não merecia"

Quem nunca o disse?

São tantas as desgraças hoje em dia que vale mais nem ver televisão.

Nove mulheres mortas ás mãos de maridos.

Uma criança morta ás mãos de um pai.

E dizemos

-E então meu Deus onde é que andas?"

-Então meu Deus não era suposto cuidares das crianças?

E Deus responde:

-Eu sei que sou omnipresente, eu sei que estou em todo o lado, mas uma coisa vos digo, criei o mundo, entreguei-vos o mundo, pedi para cuidarem dele e o que têm feito vocês?

De facto, o que temos feito nós?

Se há crianças a morrer à fome a culpa é de quem, do homem certo?

Se há crianças a morrer ás mãos dos próprio pais de quem é a culpa?

Os animais matam para sobreviver, o homem mata pela ânsia de poder, pelo ódio.

O homem não se lembra que por querer governar o mundo, ele mata.

São as disputas pelas armas nucleares, a disputa pelo pertróleo, a disputa pelo ouro, a disputa pelo dinheiro, o querer ser mais do que aquilo que deveriam ser.

Foi entregue ao homem o mundo, mas com um único intuito, cuidar dele.

E o que faz o homem?

O homem mata.

O homem estraga.

O homem rouba.

Pior que tudo o homem mata quem não tem culpa, o homem mata porque não sabe governar, liderar.

O homem estraga pois o que está para vir já não é para ele mas sim para as novas gerações, gerações essas que vão encontrar um mundo sem conserto.

O homem rouba não sei porquê, ânsia? necessidade?

Não o homem rouba pois deve achar que esse dinheiro lhe trará a vida eterna.

Enganam-se.

O homem mata crianças.

Porque as crianças estão no meio de uma guerra que o homem iniciou.

Guerras entre países, guerras entre pais, guerras entre famílias.

E assim vão morrendo crianças que não pediram estas guerras.

As crianças pedem que as deixem brincar, pedem que as deixem correr por campos cheios de flores abrir os braços e acariciá-las, pedem que as alimentem condignamente para crecerem felizes e saudáveis.

Mas o homem não deixa.

E então o que Deus faz?

Deus cruza os braços.

Deus leva para o seu lar aqueles que vê sofrer tanto, pois lá na sua casa estão mais seguras, lá na sua casa têm comida, têm campos cheios de flores onde poderão correr e brincar, lá essas crianças serão mais felizes.

Porque no que diz respeito ao homem, Deus cruzou os braços e disse:

-Vocês são grandes desenrasquem-se, os pequeninos ficam comigo

-Dei-vos o dão de procriar, não o aproveitaram,dei-vos o dão de amar e vocês preferem odiar, assim as crianças ser-me-ão entregues, e vocês homens arranjem-se, pois por vocês já nada posso fazer.

-E assim cruzo os meus braços e não chamem tanto por mim, pois agora só as crianças serão ouvidas.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D