Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

maedocoracaosoueu

Qua | 21.03.18

O PASSADO!!!!!!!!!!!!

75-awesome-looking-into-the-past-pictures-1-11401-1334347741-66_bigTodo filho que foi adotado carrega consigo um passado.Ele não apareceu do nada. Nem sempre é fácil lidar com isso, pois cada um tem sua história, e para ter sido reencontrada pelos pais adotivos essa criança passou antes por algumas experiências. Quando acolhemos e adotamos nosso filho preocupamos-nos bastante com ele, como é óbvio!!! Quais serão as perguntas (e quais serão as respostas), como vai lidar com sua própria história? irá  sofrer? irá sentir-se abandonado? Vai querer procurar seus parentes de origem… são muitas as questões que nos vêm à cabeça em relação às situações que nosso filho enfrentará. Contudo, há um momento (na verdade, alguns momentos) em que somo " apanhados" a tentar “reviver” a história de nosso próprio filho.

Quando abraçamos um filho gerado por outra pessoa (muitas vezes desconhecida) é mais do que natural pensarmos sobre a sua história e em como lidar com o passado que carrega.

Não há segredo. Tudo na vida do adoptante deve ser sincero e transparente (claro, evitando os arroubos de agressividade ou frieza que não ajudam em nada qualquer processo de adaptação). Por isso, todas as vezes em que pensar em como devia ser a mãe biológica de seu filho, ou ficar com medo de ter que encarar o passado dele, lembre-se: isso é normal. Não se culpe por pensar e sentir essas coisas. Aceite suas reacções e procure compreendê-las. Unir a compreensão aos questionamentos é uma forma adulta de superar e aceitar suas próprias dificuldades.

Não permitir a si própria sentir coisas normais do processo de adaptação pode ser negativo, pode criar feridas ou provocar aquela situação na qual “não se pode falar no assunto porque cria um clima insustentável a qualquer momento”.

Rompa barreiras, tanto suas quanto as que tem em relação ao passado de seu filho, aceite suas dúvidas e lide com elas de forma paciente. Tentar imaginar o rosto da mãe biológica, do pai biológico, a situação em que eles se encontram atualmente, pensar em como foi o parto, a separação…o porquê? Pois temos todo o direito de questionar o porquê, tudo isso faz parte da nossa forma humana de entender e abraçar também o passado de nosso filho adotivo. O amor incondicional passa por tudo isso: medo, aceitação, superação e plenitude. E é por isso que temos a incrível capacidade de nos adaptarmos. Não se culpe, não se proíba. Entendendo a si mesmo(a), você entenderá cada vez mais sua história para dar apoio quando seu filho precisar de você nesses mesmos momentos que ele enfrentará ao longo da vida.