Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

maedocoracaosoueu

Qua | 08.08.18

O SÍTIO ONDE VIVO!!!!!!!A MINHA ALDEIA!!!!!!!A MINHA VILA!!!!!!!!!!!

Resultado de imagem para Imagens giras de aldeias

Vivo numa aldeia, não é esta mas poderia ser.

Mas na verdade vivo numa vila, uma vila que é uma aldeia.

Foi esta aldeia que me viu nascer, crescer e tornar-me mulher.

Vivo entre Matosinhos e Senhora da Hora.

Vivo numa aldeia onde a pé, em 20 minutos, chego a estes dois locais. 

Vivo numa numa aldeia onde acordo com os galos a cantar e as ovelhas a balir.

Vivo numa ladia onde todos nos conhecem e nós conhecemos todos.

Vivo numa aldeia onde no Verão quando vou à varanda vejo o agricultor a plantar a batata, juntamente com mais pessoas, pois quase todos têm quintais e interajudam-se, a minha mãe está incluida.

Vivo numa aldeia onde vejo cultivar o milho e onde se faz a desfolhada, onde mais uma vez todos ajudam e onde todos comem e bebem à discrição porque os lavradores nesse aspecto não são de todo moderados.

Vivo numa aldeia onde novamente se juntam para a apanha da batata e mais uma vez comem e bebem até não poderem mais, a minha mãe incuida.

Vivo numa aldeia onde a minha filha anda de bicicleta e eu fico em casa tranquila, pois todos se conhecem e todos estão atentos, às vezes atentos demais, o que também é uma desvantagem.

Vivo numa aldeia onde todos conhecem a minha mãe, por ter dois terrenos e por dar muita coisa do que cultiva.

Só dá a quem ela quer e quem ela acha que necessita.

Vivo numa aldeia onde as pessoas deixam os carrinhos de compras no quintal da minha mãe para os encher de legumes, pois confiam nela.

Vivo numa aldeia onde todos a respeitam e muito, mas ela também não permitiria o contrário, é uma mulher da aldeia, mas da aldeia mesmo,uma mulher com M grande está tudo dito.

Vivo numa aldeia onde todos ficam apreensivos com a debilidade do meu pai. 

Onde todos dizem que este não é o Sr. Rocha que conheceram em tempos.

Pois o meu pai sempre foi um homem activo e agora está tão debilitado

Vivo numa aldeia onde todos respeitam o meu pai, pois não é a sua debiidade que faz dele um "troxa" tem um feitio do caneco, mas se o deixarem sossegado no seu canto a tomar o seu café e a ler o seu jornal, pronto nada a temer.

Vivo numa aldeia onde todos adoptaram a Diana.

A Diana já é cá das nossas.

Vivo numa aldeia onde no Natal e no aniversário, alguns vizinhos mais chegados não esquecem o aniversário da Diana e lá vem prendinha.

Vivo numa aldeia onde em festas de aniversário ou comunhões, convidava vizinhos para se juntarem a nós pois faziam parte da familia, agora já não há comunhões, já as celebrou todas e aniversários ela quer é estar com amigos.

Vivo numa aldeia onde um senhor que tem uma padaria vem todos os Domingos trazer 5 regueifas cá a casa, não cobra nada mas contudo leva legumes do terreno da mãe.

Vivo numa aldeia onde das cinco regueifas três são distribuidas pelos vizinhos, não precisamos de tanta regueifa

Vivo nesta aldeia desde que nasci, e não trocava este sítio por outro.

Nesta aldeia fui feliz, fui livre e brinquei na rua até a minha mãe ter que me vir chamar pois já eram hora impróprias para consumo.

Nesta aldeia está a crescer a minha filha, mas já não há tanta liberdade, infelizmente, mas é que aqui ela é feliz, se eu lhe disser que vou sair de casa dos avós e vou para outro sítio qualquer, responde peremtoriamente que não, fica com os avós, e eu tenho a certeza que ficaria, foi aqui que se plantou, que foi regada e que ganhou raízes e floresceu.

Vivo numa aldeia onde se precisar de alguém para montar móveis ou furar paredes, pois o meu pai já não pode, basta atravessar a rua e o vizinho da frente de imediato se apresenta ao serviço.

Vivo numa aldeia onde as pessoas estão a envelhecer, pessoas com quem cresci, e por esse facto estão a morrer pois já ultrapassam os oitenta ou mais, é a parte mais triste de viver numa aldeia.

Vivo numa aldeia onde a minha mãe vai a todos os funerais, pois conhece toda a gente.

Vivo numa aldeia onde eu vou aos funerais das pessoas que conheço há muito, que conheço há pouco mas que me tocaram de alguma maneira.

Vivo numa aldeia onde a campainha não pára de tocar, ora são pessoas à procura da mãe, ora são pessoas que vêm oferecer coisas à mãe, tem dias que canso de ser porteira

Vivo numa aldeia onde as pessoas gostam tanto da pequenita que perguntam quando vai lá a casa fazer uma visita.

Vivo numa aldeia onde todos conhecem a roupa intima cá de casa pois estendo-a na varanda virada para a rua, não tenho alternativa, mas pronto já ficam a conhecer um bocadinho da nossa intimidade.

Já vivi 10 anos na cidade, gostei, pois ía a pé para a Baixa do Porto coisa que adoro fazer, ir à Baixa, mas voltava sempre para a minha aldeia, sempre gostei do meu espaço, do meu cantinho.

Vivo numa aldeia onde os vizinhos, quando lhes falta algo na despensa, tocam à campainha e vêm pedir à mãe.

Vivo numa aldeia onde aos Sábados se abrem todas as janelas, se colocam os tapetes nas varandas e se ouve o som do aspirador, de tão perto casas estão umas das outras.

Vivo numa ladeia onde com toda a certeza se precisar de lago urgente as pessoas estarão prontas a ajudar.

Vivo numa aldeia onde acredito piamente que ninguém morrerá ao abandono.

Vivo numa aldeia, onde as pessoas são generosas, das poucas vezes que vou ao café este já está pago, e com o meu pai o mesmo, as pessoas agradecem pagando-nos um café.

E não precisamos de mais nada pois não?

Vivo numa ladeia onde vão ao quintal da minha mãe desabafar com ela, pedir conselhos, mas não o contrário, nesse aspecto a minha mãe é mais reservada.

Vivo numa aldeia onde por vezes o cheiro a estrume é de tal maneira intenso que não me atrevo a entender roupa ou abrir janelas.

Mas eu gosto do cheiro a estrume.

Vivo numa ladeia onde na mercearia as compras ainda vão para o " livro"

VIvo numa aldeia onde os pequenos almoços no pão quente vão para o livro, esta surpreendeu-me

 

MAS ESTE É O SÍTIO ONDE MORO E ESPERO NUNCA TER QUE SAIR DAQUI.

2 comentários

Comentar post