Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mãedocoraçãosoueu

mãedocoraçãosoueu

QUANDO UM FILHO SOFRE!!! NÓS MORREMOS UM BOCADINHO!!!

anorexia nervosa,  é um transtorno alimentar que faz a pessoa ver o próprio corpo de maneira distorcida (em geral, muito acima do peso) e, a partir daí, leva a atitudes de risco como dietas restritivas, abuso de exercícios físicos, indução de vômito para expulsar as refeições e até mesmo uso de medicamentos como laxantes. O problema pode afetar qualquer faixa etária ou gênero, mas é mais comum em mulheres jovens.

A perda de peso impulsionada pelo transtorno é extremamente perigosa. Pode provocar baixas na imunidade, enfraquecimento dos músculos e dos ossos, interrupção da menstruação, arritmia cardíaca e convulsões. O quadro chega a ser inclusive fatal em 15% dos casos.

A anorexia está ligada a origens psicológicas e fisiológicas e, uma vez instalada, atrapalha a ação de um dos hormônios que controlam o apetite, a melanocortina, o que deixa a pessoa constantemente sem fome.

Sinais e sintomas

– Perda de peso acentuada
– Preocupação excessiva com a dieta
– Restrição severa na ingestão de comida
– Ausência de apetite
– Uso de truques para dar a impressão de que já comeu ou esvaziou o prato
– Medo extremo de engordar
– Ausência de menstruação
– Redução na libido
– Prática exagerada de exercícios visando à forma física
– Evitar comer na frente de outras pessoas

Fatores de risco

– Pressão social por questões estéticas
– Distúrbios psiquiátricos como ansiedade, depressão e transtorno obsessivo-compulsivo
– Desequilíbrios hormonais
– Baixa autoestima
– Perfeccionismo exagerado
– Histórico familiar

 

Tenho duas S,s na minha vida

A S do trabalho e a S da faculdade.

Hoje vou falar da S da faculdade.

A minha S tem 2 filhos uma menina e um menino.

Na pré-adolescência a filha da S teve um desgosto de amor.

Coisas de miúdos,dizemos nós.

Quem não tem desgostos de amor?

A filha da S deixou de comer.

A filha da S teve anorexia,  não foi internada pois não era bulímica.

Num jantar de Verão, uma churrasacada em casa da S reparei que a ....queria comer a última espetada, a que sobrou.

Disse para a comer, não quis.

Quando vinha embora disse à S:

-Tem cuidado pois a .............estava ansiosa por comer a última espetada e não o fez.

Isto passou, nem voltamos a falar sobre o assunto, não era nada.

Mas afinal era.

A .....deixou de comer, olhava-se ao espelho e achava que estava gorda, não comia, nada, mesmo nada.

Um dia eu e a S como era hábito fomos sair as duas.

Quando de repente começa num pranto e conta-me tudo o que estava a acontecer.

-Tu bem que me avisaste

Já nem me lembrava, não associei uma coisa à outra, nunca.

Contou-me a história toda.

Só então reparei que a S tinha envelhecido uns 10 anos, estava a " morrer" um bocadinho.

Ouvia-a, chorei também, conhecia a ............desde bebe.

Não queria acreditar.

Nem sei como a S teve tempo para irmos sair, queria desabafar, queria chorar, queria um ombro que não fosse o do marido pois esse também estava a morrer um bocadinho.

No conservatório, planeavam uma viagem à Austria, os professores queriam que a .....fosse, era uma das melhores alunas, e eles achavam que merecia, e sim merecia mesmo, mas como lidar com esta situação?

Reuniões após reuniões com a S chegaram a uma conclusão, a .......ia, mas ficaria num hotel com um professor que iria cuidar dela 24 hora por dia, os outros colegas foram para casa de Austríacos. Problema resolvido, e bem resolvido embora a .......... achasse que não merceia ir. Mas foi e fez-lhe muito bem.

O acompanhamento no Hospital de S. João foi 5 estrelas,para a ..........para os pais e para o irmão.

Os médicos chegaram à conclusão que a........tinha uma estabilidade familar excepcional, o que ajudou à recuperação.

No dia em que a S me contou, quis que fosse lá a casa para a ver.

Fui.

O que vi?

Um esqueleto, uma criança, pois ainda era uma criança, cuja pele era tão translúcida que se viam as veias, quase conseguia ver os seus orgãos através da sua pele. Aquela não era a ............não era.

Fiquei chocada, mas não o demonstrei, apetecia-me chorar mas não chorei, agi com toda a naturaliddae que me foi possível.

Com tudo isto, acabaram as festas e jantares lá em casa, a .......deixou de socializar, deixou de sair com as amigas, dedicou-se aos estudos, e começou a ter 5 em todas as disciplinas, mas contudo pediu para sair do conservatório.

Um murro no estômago dos pais, mas cederam, só lhe pediram para finalizar o 9º ano e depois mudaria de escola, tinha lógica, aquele foi o lugar que lhe causou tanta dôr.

Nós pais ambicionamos que os nossos filhos sejam os melhores em tudo, mas a S preferia que ela fosse má aluna e não ter que passar por aquela provação.

Ambos, pai e mãe envelheceram com esta dôr tão profunda.

Como me disse o P

-Paula isto não mata mas moi.

Após eu lhe ter dito

-Estás tão velho, não pareces o mesmo, saiu-me pois não estava à espera de olhar para aquele homem, marido da minha amiga, meu amigo à 20 anos e vê-lo naquele estado.

-Pois, a pré adolescência e a anorexia!!! As duas coisas ao mesmo tempo, imagina só, não foi fácil.

Não conseguia imaginar!!!!!!!!

Agora tudo voltou à normalidade, mas é uma bomba relógio, a qualquer momento ela pode explodir.

Tudo voltou à normalidade, não é bem assim, muita coisa mudou, mas esta agora é a vida deles em prol da saúde mental de todos. Os almoços e jantares lá em casa são raros, a .........gosta de silêncio, tranquilidade, e estando tranquila os pais também estão, contudo o irmão mais novo leva amiguinhos lá a casa, incluindo a minha filha, mas nada mais além disso.

De facto às vezes fazemos de coisas tão pequeninas um bicho de sete cabeças, e quando nos defrontamos com uma situação destas?

Lutamos ou desistimos?

Miutos pais entrariam em depressão, o que é legitimo, estes não, agarraram-se um ao outro e lutaram até ao fim, um foi a âncora do outro, nunca houve um EU, mas sempre um Nós.

E depois há sempre aquela velha questão, mas os pais deviam ter reparado, os pais não estavam atentos.

As coisas não são bem assim, a .........começou por comer muito pouco, com a desculpa das dietas, aí soou o alarme e após observação atenta dos pais é que se deu a confrontação, após a confrontação, deixou de comer, deixou de comer, hospital com ela, pois viram e muito bem que sem ajuda de profissionais não conseguiriam lidar com este problema.

Estes pais foram a salvação daquela menina , mas quando ela adoeceu eles morreram um bocadinho!!!

 

 

 

 

 

AINDA SOBRE OS ANIMAIS!!! QUEM PODE NÃO GOSTAR!!!

Ricardo Schinaider traz para nós a história por trás da primeira instituição que cria cachorrinhos para “farejar” a quantidade de açúcar no sangue dos donos!

dogs4diabetics cachorro diabetes

POR RICARDO SCHINAIDER DE AGUIAR, ESPECIAL PARA O DIABETICOOL

Pesquisas com cães já haviam demonstrado o seu potencial para detectar alguns tipos de câncer em humanos, mas você sabia que eles também podem detectar baixa glicemia e alertar seus donos?

Cães possuem um olfato extremamente apurado. Enquanto um humano tem por volta de 5 milhões de células olfativas no nariz, um cachorro pode ter de 125 a 300 milhões delas. Isso significa que o olfato desses animais é entre mil a 100 mil vezes mais apurado do que o nosso. Já há alguns anos, cientistas estudam a possibilidade de usar essa capacidade olfativa dos cachorros para a detecção de alguns tipos de câncer em seres humanos. Uma instituição de pesquisa, chamada Dogs4Diabetics (“Cachorros para Diabéticos”, em tradução livre), decidiu explorar a habilidade desses animais também no caso do diabetes. Eles treinam e habilitam cães para detectarem níveis baixos de glicose no sangue e avisarem seus donos que estão sofrendo de hipoglicemia.

 

COMO TUDO COMEÇOU

A primeira evidência, publicada em uma revista científica, de que cães poderiam detectar doenças em humanos surgiu no ano de 1989. Uma carta enviada ao periódico britânico The Lancet afirmava que um cachorro cheirava e dava atenção incomum a uma lesão na perna de sua dona. Um dia, o animal de estimação tentou morder a região lesionada, o que fez sua dona procurar ajuda médica. Após exames, foi confirmada que aquela lesão era um tipo de melanoma maligno. A partir de então, cientistas começaram a dar mais atenção para esse aparente “talento” dos cães.

Em 2004, um estudo realizado pelo médico britânico John Church, do Hospital Amersham, confirmou que seria possível treinar cães para detectar câncer de bexiga. Na sua pesquisa, ele treinou seis cachorros de diferentes raças durante sete meses para diferenciar entre os cheiros de urina de pessoas com e sem câncer de bexiga. Após esse período, os animais foram postos à prova e analisaram 54 amostras de urina. Caso o treinamento não tivesse funcionado, a taxa de acerto esperada no teste, devido ao acaso, seria de 14%. Os cães, no entanto, acertaram em 41% das vezes. Embora o sucesso não tenha sido completo, o estudo demonstrou que havia potencial para o uso desses animais na detecção de câncer.

 

DO CÂNCER AO DIABETES

No mesmo ano de 2004, a Dogs4Diabetics foi fundada. A instituição norte-americana surgiu com o intuito de pesquisar e treinar cães para serem usados por pessoas com diabetes. Ralph Hendrix, diretor executivo da Dogs4Diabetics, explicou como os animais podem ajudar diabéticos a controlar a glicemia. “Nós acreditamos que todas as doenças possuem cheiros associados a elas, devido a mudanças que ocorrem no organismo. Esses odores são evidentes no hálito e no suor”, diz ele. “Cachorros têm o olfato muito sensível e podem aprender a reconhecer sintomas de muitos tipos de doenças. Em nosso trabalho, porém, eles não aprendem a reagir a sintomas, mas sim aos odores”.

No processo de treinamento, os cães aprendem a reconhecer o odor do hálito ou do suor de um paciente sofrendo de hipoglicemia. A segunda etapa é ensiná-los a discriminar esse cheiro de outros que podem distraí-los, através de uma série de jogos e exercícios. “Todos os diabéticos possuem cheiros residuais de episódios anteriores de hipoglicemia. Esse odor está presente em suas casas, roupas, cama. Os cães precisam aprender a diferenciar o odor do passado do odor do presente”, ressalta Hendrix.

Apenas após serem aprovados no extensivo treinamento os cães são liberados para serem usados pelos clientes da Dogs4Diabetics. A instituição também treina os seres humanos para responderem de forma apropriada aos cães. É necessário, por exemplo, que o dono teste sua glicemia para confirmar o diagnóstico do seu animal de estimação antes de tomar qualquer atitude.

dogs4diabetics 2

 

TREINAMENTO ADEQUADO É FUNDAMENTAL

Segundo Hendrix, a habilidade do cão de detectar uma doença se deve à preparação que ele recebeu. O diretor da Dogs4Diabetics relata que algumas companhias de treinamento não fornecem uma preparação adequada para assegurar que seus cães estejam totalmente qualificados para identificar uma doença. “Nós estamos particularmente preocupados com casos de pessoas que vendem filhotes com supostas habilidades de identificarem quadros de hipoglicemia”, diz ele. “É impossível gravar um odor em um filhote e esperar que ele seja confiável e consistente ao longo de toda a sua vida. Mas pessoas chegam a pagar até U$ 20 mil em uma tentativa desesperada de obter um cachorro treinado”.

Por esse motivo, é essencial verificar se a instituição de treinamento é confiável e fornece um adestramento apropriado. A vida dos donos desses animais pode estar em risco. “Ficamos estarrecidos quando ouvimos falar de treinadores ou diabéticos que estão dispostos a confiar a sua vida, ou a vida de uma criança ou parente, a um cão que não foi propriamente treinado ou certificado”, diz Hendrix.

 

E O QUE ESPERAR NO FUTURO?

Para o fundador da Dogs4Diabetics, Mark Ruefenacht, nós estamos apenas “riscando a superfície” do que um cachorro pode fazer para ajudar em diagnósticos e tratamento de diversas doenças humanas.

Devido às pesquisas que exploram o olfato dos cães para a detecção de doenças, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Israel, em parceria com a empresa americana Alpha Szenszor, fabricaram um dispositivo chamado Na-Nose. O aparelho é baseado na sensibilidade do nariz de cachorros e consegue detectar mais de mil gases diferentes no hálito humano. Os cientistas pretendem usá-lo para identificar casos de câncer de pulmão. Em testes clínicos, o Na-Nose teve precisão de até 95%.

Rob Harris, um dos diretores do centro de pesquisa chamado Medical Detection Dogs, que treina cães para detectar odores de doenças humanas, enfatiza alguns dos benefícios do uso desses animais. “O valor desses cães está em sua habilidade de detectar mudanças precocemente, dando a oportunidade aos nossos clientes de se tratarem e evitarem, muitas vezes, a intervenção de paramédicos e idas a hospitais. O cachorro pode acompanhar seu dono em qualquer lugar, aumentar sua confiança, independência e melhorar seu bem-estar”.

O desafio, para Hendrix, é fornecer um treinamento consistente e confiável para usar o incrível olfato dos cães. “Cães são cães, eles não podem nos dizer o que sentem, e os treinadores devem elaborar maneiras eficazes de treiná-los. Além disso, eles precisam reforçar o treinamento ao longo da vida do cachorro para manter a habilidade”.

QUEM TEM A CORAGEM DE FAZER MAL A UM ANIMAL QUE LEVANTE A MÃO!!!

OS ANIMAIS SÃO TERAPEUTICOS, FORAM DOIS CÃEZINHOS, NÃO DESTA RAÇA, MAS DOIS RAFEIRINHOS, QUE AJUDARAM A FILHA DE UMA GRANDE AMIGA A ULTRAPASSAR A ANOREXIA, E ESTA HEMMM!!!!

Mais sobre mim

foto do autor

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D