Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mãedocoraçãosoueu

mãedocoraçãosoueu

AQUI ME CONFESSO UMA OUTRA VEZ!!!!!!!!!!!!

Aqui me confesso mais uma vez, mas nada tem a ver com religião.

Poderão julgar-me pelo que vou confessar, mas primeiro leiam e depois julguem.

Já fui solicitada, se é que se poderá dizer, solicitada, não fui aliciada, fui solicitada para ser amante de alguns homens, grande parte colegas de trabalho, e alguns clientes da empresa.

A conversa era sempre a mesma, casados à mais de 20 anos, agora é só amizade, só estão com as  mulheres por causa dos filhos, blá, blá whiskas saquetas, por incrivel que pareça, a mesma ladainha.

Só um é que iria largar a mulher e vinha viver para o Porto para viver comigo, PANIQUEI, estava fora de questão.

Porque é que isto acontecia?

Não sei, não sou nenhuma top model, mas tenho uma carteristica que provavelmente os fazia olhar para mim como uma "tarada", sou muito brincalhona, sempre fui, no trabalho brincavamos muito, de tal maneira que a conversa enveredava para conversas mais intimas, mas não era apenas eu, tinha uma colega que me acompanhava, e quando começavamos, uma de nós tinha que sair pois a galhofa era tal, que tinhamos que pôr um travão,e por norma era eu, mas não passavam de brincadeiras, mas com todos os colegas, nunca mas nunca apenas com alguns, eramos assim com todos e era divertido,e sempre com o devido respeito, sempre, nunca houve pelo menos da minha parte qualquer malicia, ou outra intenção que não fosse a diversão, que sabia tão bem, criava um bom ambiente, e o pessoal vinha sempre até ao nosso escritório para darmos umas boas gargalhadas.

Contudo nunca quiseram uma relação extra conjugal com a minha colega, porquê?

Uma vez um colega novo na empresa comentou que eu e a minha colega eramos umas taradas sexuais, confrontei-o, pois trabalhavamos em parceria e não podia ficar com tal insinuação entalada, ficou perplexo, disse que me achava piada e que gostava das nossas brincadeiras, contudo com o passar do tempo e da convivência, quando vinha ao meu gabinete, já gostava muito de meter a mãozinha no ombro enquanto me lia um mail, eu sei ler um mail, sério!!! Comecei a não achar piada, embora fosse meu chefe e eu lhe desse apoio no trabalho, e ele também se juntasse à brincadeira, nada lhe dava o direito de pôr a mãozinha, entretanto foi embora, mas nunca houve stress. Mas não me entendam mal, nunca considerei isto como assédio, nunca, isto do assédio no trabalho tem muito que se lhe diga.

Com os clientes, não sei, talvez pelo facto de eu ser muito conversadora, de lhes dar atenção, de os ajudar em qualquer questão relacionada com o trabalho, não sei,mas ainda hoje mantenho uma relação de amizade com alguns clientes e fornecedores.

Com um desses homens já temos uma relação platónica há mais de 15 anos, engraçado, mas nunca passou disso, mas ainda se mantém nos dias de hoje, sempre lhe disse que ele era muito " betinho " e para "betinho" já tinha o meu namorado, sim eu namorava mas mesmo assim não era impedimento. 

O que me levou a não manter uma relação extra conjugal:

- Namorava

Depois de acabar o namoro:

- Era tudo mais simples mas:

- Adoptei uma menina

-Fui mãe

-Sou filha

-Nãi quero que os meus pais se envergonhem de mim, nunca

-Não queria de todo que a minha filha um dia viesse a saber, que exemplo seria para ela?

-Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti

-Nunca iria ficar de bem com a minha consciência, após o acto consumado

-A nossa relação no trabalho jamais iria ser a mesma

-Iria deitar tudo a perder

Agora que já não trabalho na empresa:

- Tenho uma filha

- A minha consciência continua a falar mais alto

-Tenho medo do que poderá acontecer depois, em relação a isto tenho medo

-Pode ser só "one night stand", mas pode não ser

Uma vez um colega de trabalho disse que eu deveria ser " Acompanhante de Luxo", cheguei a pensar seriamente na questão mas mais uma vez:

-A minha filha

-Não há dinheiro que pague o arrependimento

-Mas não digo desta água não beberei, antes " Acompanhante de Luxo" do que "Amante".

Agora já me podem julgar

 

 

 

 

 

A ADOLESCÊNCIA E AS MESMAS ROUPAS

Isto da adolescência não é fácil, pensei que fosse mas não é, SANTA IGNORÂNCIA

Há um ano ano atrás era eu quem escolhia as roupas da minha filha, agora com 15 anos, como é óbvio ela é quem escolhe.

Mas faz-me bastante confusão, isto porque usa sempre a mesma roupa, as calças vão para lavar, são passadas a ferro e toca a usá-las outra vez, os tops, a mesma coisa, lava e toca a usar, isto dos tops faz-me confusão, andar com a barriguita à mostra,quando digo a barriguita, digo o umbigo, pois mais que isso não aceito e ponto final,não me agrada muito, mas ela não é a única, mas é minha filha e eu não gosto, mas tenho que aceitar, não vou fazer uma batalha com isto. VENHA O INVERNO E ACABARAM-SE OS TOPS.

E a outra roupa quando a vai usar, agora só querem calças skinny, justinha e como ela é jeitosinha ficam-lhe bem, mas eu não gosto, mas tenho que aceitar.

Há-de chegar o dia em que irá vestir calças e túnicas largas, que até é bem giro, mas para já não quer.

-Oh mãe por favor achas que vou usar isso?

Calçado a mesma coisa, sempre as mesmas sapatilhas, nem dá tempo para a pôr a arejar.

Tal como já disse uma vez quando vamos à escola por algum motivo, é preciso uma radar para a encontrar, pois as miúdas vestem todas as mesmas roupas, calçam todas as mesmas sapatilhas e todas, mas mesmo todas têm o mesmo corte de cabelo, comprido e liso, rara é a miúda que o tem curto.

Que saudades tenho quando a vestia toda "pipi". 

Mas há uma coisa que me agrada na minha filha, quando veste uma camisola ou um top que seja transparente, veste sempre uma camisola de alças por baixo.

Os calções bem esses tiram-me do sério, mas ela sabe que tem que usar uma camisa à cintura, isto porque ela vem a pé da escola e é preciso ter cuidado, se não queremos ser assediadas não provoquemos, e no fundo no fundo ela tem medo.

No sexto ano numa reunião com a diretora de turma, esta alertou os pais para terem atenção com as roupas das filhas, pois os rapazes nas aula estavam mais atentos às nádegas das miúdas do que ao que o professor dizia, engraçado que os pais de uma dessas miúdas estavam na reunião, o que eles não sabiam era que a filha deles saía de casa com uma roupa e quando chegava à escola trocava, isto foi-me contado pela minha.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D