Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mãedocoraçãosoueu

mãedocoraçãosoueu

O VOSSO TRABALHO É DE LOUVAR!!!!FAÇO-VOS UMA VÉNIA!!!!

Todos os trabalhos são de louvar.

Todos os trabalhos são necessários para a nossa sobrevivência como seres humanos.

Mas há um que louvo e faço uma vénia.

Trabalhar na Segurança Social.

Quando fiquei desempregada uma das primeiras coisas que fiz:

Ir à Segurança Social pedir o abono que me tinha sido retirado.

Fui à Segurança Social de Matosinhos.

Cheguei lá às 9h e saí às 15h, isto sem almoçar.

Quando chego e vejo que tenho 50 pessoas à minha fente, sentei-me num canto encostada à máquina de café e lá fiquei.

Fiquei ali 6 horas a assistir a um espectáculo degradante.

Pessoas que vivem do rendimento mínimo, que receberam dinheiro indevidamente mas contudo ainda achavam piada e riam da situação.

Pessoas essas com telemóveis XPTO.

O meu telemóvel coitadinho ainda é da idade da pedra.

Contra isso nada cada um gasta o dinheio como bem lhe aprouver.

Mas ir para lá e fazer escândalo pois estava tudo muito atrasado, falar alto e dizer palavrões, insultar as pesoas que lá trabalham, não, isso não.

Os funcionário foram almoçar, mas cada um na sua vez, e voltaram os insultos.

Os funcionários trabalham lentamente, temos pena cada um tem o seu ritmo.

E mais insultos

Há que ter paciência, e respeitar.

Acima de tudo respeitar.

Pessoas que cheiram mal, mas tão mal que tiveram de ir para uma sala à parte pois ninguém aguentava.

E quem lá trabalha tem que os atender!!! Não se esqueçam disso!!!

Mas esse casal, sim era um casal, não foi de todo mal educado, nem falavam, cheiravam muito mal,pronto, uma mistura de cheiros que ainda hoje não sei definir.

Um rapaz, muito novo que dormia na rua, ia lá tirar um café, reparei por um acaso que era o Segurança quem lho pagava.

Como eu estava ao lado da máquina, bem, só não saí dali para não perder o meu lugar sentada pois ainda tinha muitas horas pela frente.

O rapaz cheirava tão mal, mas tão mal, também não sei definir.

Mas tomou o café e lá foi à vida dele.

Cena mais caricata de todas.

Uma senhora, uma rapariga, pois era mais nova que eu.

Chega às 14h.

Não havia senhas, tinha que lá ir num outro dia.

Qual quê!!!!

Fez um espectáculo, ameaçou chamar a policia e o Segurança lá lhe arranjou uma senha.

E eu à espera, já lá iam 5 horas.

A rapariga começou a contar a vida dela a toda a gente, mas ninguém lhe ligou, pois todos acharam a cena degradante e estavam com receio que ela fosse à frente deles. 

E tal como eu estavam cansados.

O que decide ela fazer?

Sentar-se ao meu lado.

Logo ao meu lado, eu que estava à 5 horas sem comer e já cansada de ouvir e ver tantos  absurdos.

Começou a contar-me a vida dela.

Nem a olhei nos olhos.

Perante a minha impassividade ela lá disse:

-A senhora não se preocupe, eu não vou à sua frente.

Olhei para ela, agora sim olhei para ela.

- Pode ter a certeza que não vai não, pois se tal acontecer quem chama a policia sou eu.

Depois sai-me com este impropério

-Sabe são 2 horas e eu tenho que ir trabalhar às 4.

Saltou-me a tampa

-Se tem que ir trabalhar às 4 porque motivo veio para cá às 2?

Não respondeu.

-Eu não tenho que ir trabalhar e contudo já cá estou à 5 horas.

Não respodeu.

Levantou-se, disse uma data de palavrões, que eu ignorei e foi chatear outro, mas ninguém lhe ligava, as pessoas estavam cansadas.

Lá chegou a minha vez.

Sentei-me e só pude dizer:

-Minha senhora estou desempregada mas não invejo o vosso trabalho.

A Senhora riu-se.

E de facto era para rir .

Lá tratei do meu assunto e despedi-me.

-Muito obrigada e boa sorte.

Mas isso não acontece só em Matosinhos.

Quando adoptei a Diana ia a Miguel Bombarda, no Porto.

Essa era ainda mais assustadora.

À entrada dos gabinetes tinha um policia.

Estão a imaginar porquê?

A miúda quando ia comigo, ficava tão assustada que se encondia atrás das minhas pernas.

Não entendia o porquê do policia, para ela não era nada de bom

Há trabalhos que eu louvo e faço uma vénia.

 

 

 

AMAR É TER ALGUÉM QUE NOS ACEITE TAL COMO NÓS SOMOS

 

O amor é simples, leve, libertador. O amor é companheirismo, presença, parceria. É reciproco, intenso e envolvente, onde só se ganha e nada se perde. Amar é doar-se por completo pra alguém sem medo do que esse alguém possa fazer com você. Amar é aceitar o outro por completo sem tirar nem alterar nada. Amor é aquele tempo que a gente nem tem e mesmo assim doa. Amor é chegar em casa, depois de um dia daqueles, e mesmo assim ter motivos pra sorrir porque o outro te olha como se não tivesse te visto há anos. Amor é segurar firme a mão do outro e sentir segurança suficiente pra entender que você estará presente não só enquanto tua mão envolver a dele, mas principalmente quando vocês estiverem distantes. Amor é mergulhar em um olhar que não te afoga, é transformar um abraço em um abrigo, é morar em alguém que mesmo com tantos defeitos e diferença, não te assusta.

Amar é dormir ao lado de alguém que te cura de qualquer preocupação, é acordar com alguém que te leva pra um lugar que você não tem ideia, mas mesmo assim aceita o desafio, porque o amor é capaz de enfrentar e superar qualquer obstáculo na vida. Amar é saber que ninguém é dono de ninguém. É ficar mesmo quando a pipoca queimar, o refrigerante perder o gás ou quando o filme for repetitivo, porque o que realmente importa pro amor é selar o encontro, é eternizar o momento e fazer de um sentimento uma memória. Amar é aceitar que o outro é livre e que se pode partir a qualquer momento. É aceitar que se doer, melhor deixar ir. Se ficar confuso, melhor partir. Amor é poder ser quem você é, não precisar fingir e permitir que o outro seja quem ele é, sem aparências, sem disfarces.

Amar é querer o bem do outro sempre, é torcer pelos sonhos e vibrar quando alcançá-los. Amar é sentir a alma do outro, e por isso, não fazer mal. Amar é não machucar porque, de alguma forma que a ciência não consegue explicar, isso vai te ferir também. Amar é sentir que às vezes será melhor ficar em silêncio e compreender com um só olhar o que a alma do outro quer dizer. Amar é não ter orgulho, se desfazer de todos esses joguinhos que usamos pra não ficar por baixo e não aparentar vulnerável demais. Amar é ser vulnerável, é se desfazer de todas as armaduras e se envolver de peito aberto. Amar não é se poupar, é doar-se por inteiro. É aceitar que nem sempre você estará certo, e se estiver, amar é reivindicar, relevar e perdoar também. O amor não tem a ver com alianças, expectativas, promessas ou contratos. Na verdade, se tem uma coisa pra te dizer é que não espere que alguém seja o seu modelo ideal. O ame enquanto for reciproco, e se for amor, será liberto, e se for liberto, você não vai querer moldá-lo ou transformá-lo em alguma coisa só pra te fazer bem. Se for amor, te fará bem exatamente do jeito que é. Sem egoismo, por favor!

O amor é compreensão. É acordar cedo só pra levar café na cama. É pôr uma música baixinha pra não interromper o sono. Amar é estar a vontade, ficar porque te fazem bem e fazer bem porque isso é o mínimo que você deseja. Amar é ter uma cama enorme e acordar espremido no sofá. É fazer fazer brigadeiro e lembrar de guardar a panela porque o outro ama raspar o restinho de chocolate. Amar é apresentar novas coisas, lugares e novas pessoas. Amar é muito mais ”tô indo agora” que ”não posso ir”.

Se você diz que só consegue amar uma pessoa porque ela é daquele jeito e não consegue vê-la de um outro, você provavelmente não a ama. Você quer ficar com ela e ponto. Existe uma diferença muito grande entre amar e só ficar porque você se sente bem. Amar vai muito mais além do que achar o cabelo dela lindo ou os olhos castanhos dele atentador. Amar vai muito mais além do que aquela tatuagem de âncora no braço dele e a de cereja no ombro dela que você acha um charme. Amar é aceitar o outro hoje e entender que as pessoas tem todo direito de mudar, deixar a barba crescer, pintar o cabelo de rosa, cortar o cabelo bem curto, trocar o Rock pelo Samba. E você não deixará de amar alguém porque ele resolveu trocar Nirvana por Zeca Pagodinho, porque ele prometeu que não faria uma tatuagem e hoje quer preencher todo o braço esquerdo. Você não deixará de amar alguém só porque ganhou uns quilos a mais desde o verão passado. São outros motivos que vão te desprender de alguém.

Quero dizer que, quem ama vai entender que o outro pode mudar quando bem quiser, vai aceitar a naturalidade das coisas, vai aceitar as mudanças físicas, engordar, emagrecer demais, adoecer, não mais andar. Amar é aceitar que as pessoas mudam, que são vulneráveis aos acasos da vida e que apesar de tudo isso, o sentimento não muda, porque o amor, você sabe, é imutável.

Iandê Albuquerque

ESTE TEXTO DIZ-ME MUITO E VOU REVELAR PORQUÊ NO PRÓXIMO POST
 
 
 
 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D