Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mãedocoraçãosoueu

mãedocoraçãosoueu

PENSEM NISTO!!!!

Foi noticiado, não me recordo concretamente quando, que só este ano foram devolvidas 43 crianças em processo de pré-adopção, causa-me estranheza pois quando fui pesquisar, a informação é que 20  tinham menos de dois anos, ora bem será isto verdade? Faço esta pergunta porque a maior parte dos pais adotantes preferem crianças com esta idade ou mais pequenas ainda, e a espera é deveras longa, se dissessem que 20 tinham idades superiores a 5 anos ainda entenderia mas bébés, onde vai a imprensa buscar esta informação? Será a Segurança Social que a divulga, tenho as minhas dúvidas, mas passando à frente, tudo isto como  diz na giria é " um pau de dois bicos, passo a explicar o meu ponto de vista.

Quando adotei a minha filha também houve momentos em que me apeteceu devolvê-la, não é fácil, mas como costumo dizer a adoção é uma conquista mútua, a Diana teve que me conquistar e eu tive que a conquistar a ela, isto não é trabalho de uma só pessoa.

Entre devolver e fazer como aquele pai adotivo que violou as tês filhas e engravidou uma delas, o que teria sido melhor, provavelmente devolvê-las, não me venham com demagogias que a Segurança Social devia blá,blá,blá, nenhum ser humano está dentro do outro, ninguém pode adivinhar que aquele sujeito tinha tendências pedófilas, isto é como aqueles trágicos casos em que as mães/pais biológicos, matam os filhos porque querem atingir o ex companheiro/a, e estamos a falar de filhos de sangue, quem poderia prever um fim tão trágico para aquelas crianças?

Eu sei que a devolução é uma dupla rejeição, mas as crianças têm um poder tão grande para superar situações que é inexplicável, sofrem sei que sim, mas acreditem, são tão bem recebidas nas instituições, falo por experiência própria, pois na Casa de Cedofeita, instituição onde estava a Diana, as voluntárias eram tão meigas com as crianças, aliás algumas delas até gostavam de adotar uma ou outra criança, mas penso que não lhes era permitido, não tenho bem a certeza. Mas eu presenciei, vi o amor e a dedicação que tinham pelos miúdos.

No caso da Diana por exemplo, ela antes de ir para instituição, tinha 3 anitos, andava na rua, por esse motivo furou os tíampanos, devido ao frio e outros fatores,  deve ter sofrido horrores, mas o que é certo é que até à data, em nove anos nunca fui com ela para uma urgência, nunca esteve doente, tirando resfriados no inverno, porquê? Porque ganhou defesas, e ainda bem, aguenta bem a dôr, nunca chorou quando se magoava, dizia sempre, não doi, isto não é nada, e eu nada fazia nada, nem insistia, não queria que virasse um "vidrinho", querendo com isto dizer que eles têm uma força superior à nossa, ganham resistências e seguem em frente .

Sei que é triste, as crianças não são uma roupa que se compra, leva-se para casa, como no meu caso que só experimento em casa,e depois devolve-se por este ou aquele motivo, mas contudo mais vale fazê-lo, pois se não houver uma empatia entre pais e filhos adotivos não haverá amor, e é isso que eles precisam, o motivo pelo qual  devolvem só a eles diz respeito, mas tenho a convicção que não o fazem de ânimo leve.

Quantos pais biológicos já não se terão arrependido de ter um ou outro dos seus filhos, mas nunca o manifestou?

Hoje foi devolvida, amanhã vêm os pais perfeitos, é uma questão de tempo, e algo melhor virá, nada acontece por acaso, existe sempre um motivo para tudo.

Hoje sofrem amanhã serão as crianças mais felizes do mundo.

Quem nos diz a nós que até ficam felizes por voltar? quem nos diz a nós que algumas delas até se aperceberam que não iriam ser felizes com aqueles pais?

Pensem nisto.

 

HÁ MUITO A FAZER!!!!

Antes de voltar a falar sobre a medicação, sim porque ainda não falei tudo sobre este tema, o que quero falar agora é sobre tudo o que há a fazer quando nos atribuem a adoção definitiva.

Ir ao tribunal de menores e provar por a+b à juiza que temos todas as condições de ficar com a criança, levar três testemuhas, pessoas que estiveram sempre dentro deste processo, é muito importante, pois se escolherem pessoas ao acaso, a coisa pode não correr bem.

Adoção concedida

Ir ao registo notarial e alterar a certidão de nascimento , o nosso nome fica registado como mãe da criança, é nossa, só nossa, no meu caso é minha e só minha pois como já falei anteriormente, foi uma adoção monoparental, logo não aparece nome de pai, É MINHA!!!!!

Tirar o cartão de cidadão, estar com uma criança que não parava um segundo para o fazer foi dose! as crianças tal como as grávidas e idosos deviam ser prioritárias, é que a certa altura começei a passar-me pois ela pura e simplesmnete NÃO PARAVA HELP!!!!, bom mas o que realmente interessa é que a Diana começa a ser alguém na sociedade, tem contibuinte, nº de segurança social etc.etc.

Mudar de hospital, a pequenita estava a ser seguida em Gaia, no hospital Santos Silva, para irmos lá tinhamos que apanhar dois metros, andar um bocadinho a pé ( pois! porque eu não conduzo), esta logística toda implicava ausentar-me do trabalho mais horas e da escola a mesma coisa. Eu sei que todo o processo de acompanhamento da Diana iria começar do zero, mas a nossa relação tambem não foi assim?

Ir à Segurança social, pedir o abono e passar lá 3 ou mais horas, foi o que mais me custou, é um sitio onde não gosto de ir, de todo, o ambiente é péssimo.

O que ainda fazia com regularidade era deslocar-me à Segurança Social do Porto para a Diana ser submetida a avaliações constantes, ainda hoje não sei qual o motivo, mas eram tantas coisa para fazer, tanta informação para reter que  a certa altura bloqueei e comecei a filtar alguns assuntos, era muita coisa para tratar, mas nunca faltei às convocações, não podia pois isso implicaria desintresse pela criança, e não iria abonar muito a meu favor, o local era tão assustador, que a Diana com seis anitos escondia-se atrás de mim com medo das pessoas, que só diziam asneiras e insultavam toda a gente, daí haver um policia a impôr a ordem, não gabo o trabalho destas pessoas a sério, falam mal da função pública mas o pouco que presenciei meu Deus era de bradar aos céus.

Acabaram as visitas à Segurança Social, ufa! alívio, que alívio.

Médico de família, a Diana tinha obrigatóriamente que ter médico de família, como é óbvio, mas como o meu era 5 estrelas aceitou-a de imediato.

Mesmo já na adoção definitiva chamadas telefónicas regulares da assistente social e da psicóloga. Ninguém pode dizer que não somos acompanhadas.

Inicio das consultas no Hospital Pedro Hispano, bem sobre isso há muito para contar pois já lá vão 9 anos e ainda continuamos a ir lá com regularidade, médicos TOP, TOP mesmo, já comentei com a pediatra da Diana, em tom de brincadeira, claro, que a miuda vai ter 20 anos e ainda lá vai andar.

Um erro que cometi e que nenhum pai deve cometer foi o seguinte: a Diana uma vez pegou no boletim de saúde dela e sarrabiscou-o todo, ora eu peguei naquilo e deitei fora, mau, muito mau, toda a informação sobre  o nascimento, sobre exames efetuados foram por água abaixo, bolas! no hospital começamos do zero.Lá está ninguém nasce ensinado e eu sou uma dessas pessoas.

Procurar novo local para dar continuidade à terapia da fala, o dela era muito longe, mas a despedida foi triste pois vi que as terapeutas adoravam a miuda e ela também, fiquei triste mas logisticamente este ainda era mais complicado.

Ora penso que foi tudo, se por acaso me lembrar de mais alguma coisa voltarei a falar sobre o assunto.

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D